quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

FELIZ  É A NAÇÃO CUJO DEUS É O SENHOR...
QUE PAPEL, NÓS CRISTÃOS ( Evangélicos e Católicos ) TEMOS FEITO NESTA CRISE ?

Feliz  é a nação cujo Deus é o Senhor, e o povo ao qual escolheu para sua herança. Salmos 33:12

            O autor anônimo deste Salmos com certeza falava de como seria bom se a sua nação de Israel, de fato, tivesse em Deus seu Rei Eterno e Supremo. Partia ele da premissa de que Deus, como ser supremo e soberano,  certamente lhes traria um governo de equidade e justiça porque são atributos inerentes de Jeová e destes Ele não poderia lhes negar.
            Israel era inconstante, como muitos cristãos nos dias de hoje, uma hora estava cheio de amores por Jeová e noutro momento estava aos pés de Baal, Dagon, Asserá e etc.
            Mas o que mais arruinava Israel e Judá, eram os Reis que ascendiam ao trono com o intuito de simplesmente se engrandecer ou sugar tudo o que o povo tinha, gastar suas fortunas adquiridas com os absurdos impostos que cobravam ou extorquiam do povo e viviam em luxúria e egoísmos materiais. A corrupção corria solta no estado e até os publicanos eram usados com agentes do achatamento econômico do povo.
            Como cristão e brasileiro não posso deixar de ver mais que semelhanças entre o momento de nosso país e aquele Israel... E digo ainda mais, que nosso país tem conseguido coisas das mais estranhamente extraordinárias neste campo, pois alia a corrupção político-social com a festa pagã-erótica romana da mesma época...
            Como o maior país cristão da Terra, pode ainda conviver com as atrocidades sociais  infringidas por seus governantes sem escrúpulos e temor ?
            Vivemos uma crise sem precedentes que transcende a esfera material e econômica, mas sobretudo é moral e espiritual. Nosso país está envolto num emaranhado de grupos setorizados de corrupção político-econômico que achata e empurra a população para o miserável...
            Desemprego, falência administrativa de Estados e Municípios, flagrante desnível moral que beira à sodomia têm levado o povo à busca do sobrenatural em todos os níveis, e, muitas vezes, sem a lucidez necessária para o reconhecimento de certo ou errado. O crescente ataque à família e o péssimo exemplo das autoridades que deveriam primar pelo bem estar do povo também têm contribuído para a derrocada social e espiritual de nosso país.
            Com este vasto pano de fundo, que incentiva o caos moral, também entre as religiões e, notadamente, infelizmente, a Evangélica, tem se afundada em profunda crise, inclusive existencial e doutrinária passando pelas mãos de aproveitadores e lobos travestidos de líderes que enveredam pela ganância financeira ou de posse de qualquer espécie de poder que os permitam se empanturrar de bens alheios sugados de fiéis incautos ou inocentemente ardorosos incentivados por promessas anti-bíblicas mas repletas de floreios de oratórias exaustivamente estudadas e decoradas.
            Neste clima de prenúncio catastrófico a promessa de prosperidade material fica mais atraente se aliada à religiosidade desmedida e impune que cega os leigos à ponto de não desejarem questionar, nem mesmo bíblicamente, tais doutrinas e, desta forma, ao invés de crentes prósperos encontramos crentes miseráveis e miseralvelmente presos à eterna promessa de crescimento financeiro em detrimento do crescimento espiritual, realmente necessário para aquele que busca equilíbrio em sua vida, equilíbrio que deve aliar todas as esferas. Aliás, tais decepções travestidas de práticas doutrinárias, traz um outro tipo de crente à tona... o crente doente... muitos têm margeado-se à loucura, à insanidade, que os leva à rejeitar as verdades bíblicas as quais trocam por emocionalidades inconstantes e alegrias passageiras de um som mais estridentes, um balanço mais vibrante de seus corpos num suposto transe espiritual, tudo orquestrado pela carnalidade que leva à cegueira como que uma catarata à ser operada.
            Tal crise tem se agigantado dia à dia, e muitos aproveitadores de terno, gravatas e Bíblias, infelizmente têm se aproveitado do momento... não... não são Pastores... não, nem são religiosos... Pastores num momento como este remetem as ovelhas às Escrituras, alicerçam-nas nas Verdadeiras Promessas e jamais lhes impõe mentiras ou se aproveitam para comer-lhes as carnes.
            Pastores levam as ovelhas a buscarem à Deus em oração, a terem Jesus como exemplo: “ No mundo terei aflições, mas tende bom ânimo, EU venci o mundo ! “... Pastores não cobram pelas bênçãos, antes levam suas ovelhas a crêem como em Deuteronômio 28. 12ss: “ Se ouvirdes atentamente as minhas palavras e guardares os meus mandamentos, estas bênçãos te seguirão... “
            Um país que descriminaliza o aborto em um país de maioria cristã, Católicos e Evangélicos, soa-nos como afronta ao nosso Deus... um país que tenta de todas as formas nos enfiar pela goela abaixo que a união homoafetiva é uma nova forma de família, afronta ao nosso Deus, decerto que cada um tem o direito de viver sua vida da forma que achar melhor ou certa, mas parece que este governo tem um objetivo principal de acabar com a família tradicional, minar as crenças cristãs e coibir a fé em Jeová.
            Um país que não respeita nem mesmo as crianças que dizem ser a esperança do futuro e tenta impor-lhes práticas que não têm idade para entender, mas tem idade para aprender ( mesmo que seja o que não deve ou convém ) ...
            Um país que tenta de todas as formas subverter a Justiça em favor de quadrilhas e bandidos, de corruptos e corruptores, atentando contra as leis que um dia pessoas de bem aprovaram e secularmente são respeitadas...
            Fica-se, então a pergunta: “ FELIZ A NAÇÃO, CUJO DEUS É O SENHOR ???? “... De que senhor estamos falando ? Nós Evangélicos e Católicos, deveríamos estar proclamando à plenos pulmões que Jeová é o Deus desta nação e, mais que bradar, deveríamos estar unidos em torno desta verdade, promulgarmos jejuns e orações, diárias, melhor, minuto à minuto, por uma intervenção divina neste país em que “ tudo que se planta dá “... e só se tem plantado o mal...
            Com certeza, se fôssemos unidos, se orássemos com fervor, se nos abstivéssemos do orgulho corporativista religioso e revezássemos em nossos templos de forma que durante todo o dia houvesse Igrejas reunidas em oração, veríamos a cura de nossa amada terra chamada Brasil...
            Fica a sugestão...

“ E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra. “     2 Crônicas 7:14 

domingo, 27 de novembro de 2016

TE ESPERO NA IGREJA...


Os tempos são outros para o cristianismo,aliás, a Palavra tem se cumprido a cada dia, mas o povo de Deus, ou os que se dizem, também não têm se importado em conhecer ou aprender a Palavra da Verdade e muito menos em praticá-la ( o amor se esfriaria... ). Creio que a culpa é da OFERTA E PROCURA... 
Verdade, vivemos em tempos de crise, e crise que extrapola as raias da sociedade, da moral religiosa e da fé. 
A carência material é tão grande e os exemplos de oportunistas e corruptos tão fortes que até o povo de Deus têm buscado aquilo que mais lhe convêm ao invés do que mais convém ao Senhor Jesus.
Se é mais fácil " comprar " a bênção, através de um envelope com uma oferta gorda ou uma fronha ungida, então assim agem...
Se é mais fácil e " divertido " pular um reteté ( ou repleplé... ) do que ficar sentado e saborear a Palavra de Deus, então eles dançam ( e há quem diga: " se ela dança eu danço " )...
Compromisso? 
Compromisso não existe mais... a maioria da Igrejas tiveram que optar por fechar as portas da Escola Bíblica por falta de alunos...
Muitas não fazem evangelismo pelo mesmo motivo...
Algumas têm reduzido os cultos semanais ou fechado suas portas pela absoluta falta de compromisso com Jesus e a Igreja...
OFERTA E PROCURA...
Uma " nova teologia ou doutrina " têm invadido a Igreja...
A mesma tem se transformado em empresa e a procura de obtenção de lucros têm se acirrado de maneira estrondosa e até mesmo vergonhosa...
O " ... é dando que se recebe " ganhou nova versão... a versão do... " é pagando que se recebe... ", e o povo tão acostumado a pagar pelo que precisa também têm preferido " pagar pela bênção... "
Pastores compromissados com a obra têm sofrido para manter as portas da Igreja aberta... Mas a Chamada de Deus na vida destes impede que estes as fechem e muitos, se não as mantém com recursos próprios, se " viram " para desembolsar de seus parcos recursos para cumprir a vontade de Deus...
Até quando, irmãos em Cristo, vilipendiarão a Palavra de Deus e desprezarão a Sua Igreja, trocando-a por qualquer outro evento ?
Será tão difícil assim separar o dia, JÁ SEPARADO, por DEUS e dispensar qualquer coisa para agradecer por sua vida, de seus filhos e cônjuges, de seu emprego ? Ou acham que temos tudo o que temos pelos nossos lindos olhos ou nossas próprias forças ?
Advirto que somente o rótulo de " crente " ou o reconhecimento como tal de outras pessoas, não nos credencia à Salvação.
Mas a Salvação deve ser bem cuidada, bem lustrada... somos Vasos, mas existem dois tipos dele... Vasos de Honra e de desonra... Qual deles você é ?
TE ESPERO NA IGREJA ...
Eu e todos os Pastores de verdade...

sábado, 12 de novembro de 2016

Ou-Topos: Em lugar nenhum(?)

Em que mundo, então queremos viver? Não é à toa que os homens perderam suas esperanças e não sonham mais... Que lhes resta ???
por Bispo Luiz Tamburro

Ou-Topos: Em lugar nenhum(?)Ou-Topos: Em lugar nenhum(?)
Um dom que o Espírito Santo não me dotou foi o dom de Sonhos… Mas, ainda assim não deixou de me permitir sonhar, o que já tenho como um dom, diante de tantos que já perderam as esperanças e, consequentemente… seus sonhos.
Vivemos dias em que a esperança nos parece um mendigo perambulando por ruas mal iluminadas e perigosas. Parece-me que, muitas vezes, a própria esperança se vê privada de … ter esperança.
Num mundo onde as incertezas não se estacionaram somente na vida material, mas avança à largos passos na vida intelectual, moral e até espiritual do homem, ainda assim, posso afirmar com grande alegria que ainda sonho… ainda tenho sonhos, sonhos que transcendem tudo o que o mundo hoje tem negado ao homem, eu ainda creio, creio num mundo melhor e mais justo, embora eu saiba… que nunca, nunca acontecerá… aqui.
Assim como Thomas Morus, imagino em minha mente, não uma ilha, mas um mundo novo, seria o Ou-Topos? Talvez, quem sabe, ainda assim, tenha divagado e passeado nas asas da imaginação ou da reflexão sobre um mundo de igualdade, um mundo onde não existisse realmente nada que me pertencesse, mas que todos fossem os donos…
E, divagando diligentemente à brisa que me soprava na varanda, acabei por adormecer e… sonhei…
Sonhei com este mundo novo. Todos os habitantes tinham um brilho especial no seu rosto, pareciam estar sempre muito felizes e se tratavam com gentileza, não era uma gentileza forçada, mas algo que perecia lhes nascer de dentro, podia-se ver seus corações como que sorrindo pelo prazer em tratar bem o seu próximo, Ou-Topos?
Este mundo tinha uma capital lindíssima, limpa, com ruas adornadas, sua organização impelia-nos a mantê-la cada vez mais limpa, as casas tinham portas nos fundos que davam para belíssimos jardins cultivados comunitáriamente por todos e não pertenciam a um somente, era um bem comum… Ah… pensei, esta sim, é a Cidade dos Sonhos…
Mas, de repente, dei por mim não saber o nome do mundo que meu sonho criou e busquei na mente algo que me fosse familiar para batizá-lo e, o melhor que puder encontrar, naquele momento foi… “ Em lugar nenhum. “ Decerto porque eu sabia tratar-se de um sonho que talvez nunca se realizasse.
Havia, neste mundo, um grande respeito mútuo. Seu governante era justo com todos e não se autodenominava ser desta ou daquela cidade porque cria que seria melhor ser “ sem etnia ou sem povo “, para, livre, governar realmente para todos e era um líder que governaria eternamente.
Assim também, vi, em todos os habitantes, a mesma filosofia de vida e todos se diziam ser sem etnia ou terra de nascimento, para serem todos iguais, e eu novamente lembrei-me de Thomas Morus e seus “Achorianos. “
No mundo dos meus sonhos, todos tinham muitos atributos e muitos ofícios, todos faziam de tudo e tinham especialidades, tudo gratuitamente proporcionado pelo seu governante que fazia questão de ter um povo educado e laborioso.
Como eram fartas as mesas, a alimentação vinha diretamente do campo, fresca e sem nenhum tipo de conservantes ou inseticidas, também era dividida entre todos os habitantes e ninguém passava necessidade…
Também a ganância não existia, nenhum metal ou qualquer outra coisa tinha valor… ouro, prata? Eram tidos como metais vis e que só serviram para deturpar a moral dos homens no passado, a instigar probidades e alimentar contendas e crimes… E quem, neste mundo, os tivesse em quantidade, eram considerados pobres, pois sua riqueza de nada lhes serviriam…
Também não havia desempregados, pois todos tinham ocupações e ninguém ficava ocioso, trabalhavam seis horas por dia, dormiam suas oito horas e o restante do tempo estudavam e se preparavam… para ajudarem-se uns aos outros…
Aí … acordei… e vi que realmente sonhei uma utopia… seria, então, que eu nunca viveria num mundo como este que sonhei?
Que mundo conturbado é este que vivemos? Numa visão mais próxima, vivemos num país de grandíssimas injustiças, num país onde os governantes jamais seria descendente de Ademos, por exemplo, mas que se perpetuam no poder para sugar um povo que trabalha arduamente para pagar com seu esforço e suor um preço deveras excepcional pelo seu próprio produto, um povo que vive, em grande parte em vielas e barracos e que não têm direitos nem mesmo ao direito…
Cidade dos sonhos? Aqui nem chega a povoar nossas noites de sono.
E o mundo? Ou-Topos? Não, não temos direito ao Ou-Topos, sabemos bem onde é… é aqui…
Numa ampla visão, vivemos num planeta que se tem tornado hostil, não devido às intempéries, cataclismos ou por cobranças da natureza estuprada, mas por obras de homens que, se dizendo de Deus, matam, torturam e se degradam uns aos outros. Um mundo onde uma minoria tem direitos, fortuna e poder e a outra, quando não trabalham para entesoura-las, são escravas dos mesmos, ou da governança, ou de si ou das religiões…
Em que mundo, então queremos viver? Não é à toa que os homens perderam suas esperanças e não sonham mais… Que lhes resta ???
Afinal, Ou-Topos existe?
“ E, tendo orado, moveu-se o lugar em que estavam reunidos; e todos foram cheios do Espírito Santo, e anunciavam com ousadia a palavra de Deus. E era um o coração e a alma da multidão dos que criam, e ninguém dizia que coisa alguma do que possuía era sua própria, mas todas as coisas lhes eram comuns. “ (Atos 4:31-32)
Ou-Topos, nasceu sim, no coração de Deus, teve seu início no começo da Igreja, um sonho que mudaria o mundo em que vivemos e que transformaria corações e vidas… Um mundo de justiça onde tudo seria de todos e não haveria ricos, pobres ou necessitados, onde todos se amariam de igual maneira e não se teria etnias ou quaisquer partidarismos… mas…
A dureza do coração dos homens não lhes permitiu serem humanizados e, Ou-Topos, continuou Ou-Topos… lugar nenhum…
Mas, assim como o Rei Ademos de Thomas Morus, temos um Rei ainda muito mais justo e, o melhor, Real, um Deus de Promessas cumpridas já na eternidade e prontas para nossa posse…Jesus… Rei dos Reis, Príncipe Regente de nossas almas e que nunca desistiu de transformar Ou-Topos em realidade…
“ E VI um novo céu, e uma nova terra. Porque já o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe. E eu, João, vi a santa cidade, a nova Jerusalém, que de Deus descia do céu, adereçada como uma esposa ataviada para o seu marido. E ouvi uma grande voz do céu, que dizia: Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e o mesmo Deus estará com eles, e será o seu Deus. E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas. E o que estava assentado sobre o trono disse: Eis que faço novas todas as coisas. E disse-me: Escreve; porque estas palavras são verdadeiras e fiéis. E disse-me mais: Está cumprido. Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim. A quem quer que tiver sede, de graça lhe darei da fonte da água da vida. Quem vencer, herdará todas as coisas; e eu serei seu Deus, e ele será meu filho. “(Apocalipse 21:1-7)
Hoje eu sei, que um dia o sonho de Morus, Campanella, Platão e o meu, já se concretizou nos céus e Ou-Topos, hoje, tem lugar… e é lá que todos os que sonham com o céu sabem que vão viver… uma vida eterna e justa onde Deus, o próprio criador, será o nosso sol, nossa luz e nos alimentará de paz e justiça e nos fortalecerá com seu amor e com sua graça…
Hoje sei, Ou-Topos é no céu … aqui … é somente uma Utopia.

domingo, 11 de setembro de 2016

A Igreja Evangélica está perdendo o rumo ?
 A Igreja Evangélica está perdendo a sua identidade cristã ?

Infelizmente tenho visto que sim... doutrinas estranhas e doutrinas de homens têm invadido a Casa do Senhor... Hoje participar de um culto em algumas igrejas tem sido um verdadeiro martírio para quem realmente conhece a Palavra e preserva a Sã Doutrina.
Houve uma época que podemos chamar de “ época de ouro “ da Igreja, pois houveram grandes Teólogos que insatisfeitos, já naquela época, com o rumo da Igreja, aprofundavam-se e buscavam a verdade muitas vezes à custa da própria vida... homens como Agostinho, Calvino, Lutero, Armínio e muitos outros.
Hoje a Igreja está teologicamente perdida... e eu não sei se por causa da falta de preparo teológico dos Pastores ou mesmo se os que estão preparados se tem utilizado disso para alicerçar seu “ negócio “...            Mas, de qualquer forma, existe um fundo espiritual em tudo o que está acontecendo lógico...  E eu ando profundamente angustiado com liturgias   ( nem sei se  posso classificar assim ) em Igrejas que se dizem evangélicas que misturam liturgias e costume de outras religiões como a Judaica, Grega e até mesmo com um “ punhado “ dos ritos ciganos ( digo porque vi e vejo )...
Com teologias confusas, sem base, imersas na simbologia que beira ao ocultismo, isso sem falar das “ invencionices  mirabolantes “ que faz com que seus seguidores beirem à loucura à ponto de seguirem à risca toda e qualquer coisa que se “ ensina ou impõe “ em nome de uma suposta santidade criando assim um exército de religiosos sem um mínimo de conhecimento bíblico...
Quem conduz as ovelhas também é ovelha... uma ovelha com sinete que conduz as demais com sua liderança e com o barulho peculiar a ser seguido... e o que se vê hoje é a ovelha líder subir as montanhas áridas ao invés de seguir para os pastos verdejantes e levar o rebanho à abismos e a lugares sem volta ou à morte... e o aprisco todo a se perder crendo que seguindo àquele sonido, ainda que estranho, andando por lugares perigosos, ainda que estranho é o melhor à fazer numa obediência cega... acorda Igreja ! Diz Jesus que as ovelhas conhecem a voz do seu Pastor e este é Jesus... Se você não vê na Palavra de Deus, que é a boca de Deus, tais práticas estranhas, é melhor que procure nos seus joelhos o caminho certo que é só um e sempre será...

Bispo Luiz Tamburro

A.D. Pentecostal Reformada Ministério Cristo Vive – Bacaxá – Saquarema - RJ

Postagem em destaque

FELIZ  É A NAÇÃO CUJO DEUS É O SENHOR... QUE PAPEL, NÓS CRISTÃOS ( Evangélicos e Católicos ) TEMOS FEITO NESTA CRISE ? Feliz  é a n...